Massacre do Osso da Baleia – Parte I

Passaram 30 anos e continua a ser o mais grave homicídio registado em Portugal.
Na madrugada de 2 de Março de 1987, Vítor Jorge matou sete pessoas, cumpriu 14 anos e meio dos 20 a que foi condenado e, segundo as últimas informações, vive agora no estrangeiro.

ng1844246

Ninguém em Portugal estava preparado para um crime destes.
O País queria explicações, motivos. A discussão em tribunal, mais do que a qualificação dos crimes cometidos, centrou-se nas questões da imputabilidade. Discutiram-se argumentos.
O professor catedrático de Psiquiatria e Psicanalista, Eduardo Cortesão, nascido em Lisboa em 1919 e, entretanto já falecido, defendia que Vítor Jorge era inimputável e que, por isso, devia ser-lhe aplicada uma medida de segurança. Um outro grupo de psiquiatras, defendeu o contrário, ou seja, que ele era imputável e por isso devia ser julgado como qualquer outra pessoa.
Passo a contar-vos esta história. Tenham paciência, o texto é longo, mas vale muito a pena:vitor

DIÁRIO DO CRIMINOSO

Vítor Jorge era um homem comum, casado com Carminda e pai de três filhos, Sandra, Anabela e Manuel, que há altura dos factos tinham 17, 14 e 10 anos respectivamente. Vivia na aldeia de Amieira – Leiria, onde era uma pessoa conhecida e bem integrada socialmente. Trabalhava na agência do BESCL da Marinha Grande, onde era contínuo.  Aqui começaram os problemas, já que ele se sentia humilhado pelos colegas, o que o levava a sentir um ódio profundo pelo gerente daquela agência e por alguns colegas. Desejava-lhes a morte.
Vítor Jorge lutava já com um inimigo que estava no seu interior.
Começou a escrever um diário, no qual ajustava contas com a sua consciência e em que escreveu o nome das pessoas que queria matar e o motivo. Registou mágoas e teceu considerações sobre uma sociedade corruptora, principalmente no que toca às mulheres.
O seu ódio começava na sua própria mãe, Maria da Piedade, que se tinha separado do pai dele, tendo ido viver para Lisboa, onde encontrou outro companheiro.
Escreveu ele que, quando era criança, a sua mãe o obrigava a dormir  na mesma cama enquanto fazia amor com o companheiro.
Também escreveu que nunca perdoou o facto de a sua mulher não ser virgem quando casou consigo.
No diário escreveu também que não aguentava imaginar que a sua filha mais velha começasse a namorar e manifesta a vontade de matar a rapariga para livrá-la de uma sociedade corrupta e doente. “Estou cansado de ocultar e fingir. Cansado de tanta infelicidade. Revolto-me contra tudo e contra todos. O ódio instalou-se no meu coração e substituiu de forma implacável o já pouco amor nele existente. Como posso tentar viver em paz quando desejo liquidar as pessoas da minha família?”, escreveu no diário. Sentia que estava no seu limite. Procurou ajuda especializada, mas não foi levado a sério.

O DIA EM QUE TUDO MUDOU

Vítor Jorge, que além de contínuo no BESCL, era fotógrafo de baptizados e casamentos aos fins de semana, é contratado para um baptizado na zona de Pombal. Nesse baptizado apaixona-se por uma jovem de vinte e poucos anos: Leonor. Esta mostra-se interessada, falam e encontram-se várias vezes, fazendo crescer a paixão em Vítor.  Um dia sofre o mais profundo dos golpes; Leonor confessa-lhe que tudo era a brincar e que tinha uma relação com um rapaz. Leonor estava mesmo de casamento marcado com José Pacheco, um jovem militar. Vítor Jorge não aguenta o desgosto.
Talvez sentindo-se culpada, Leonor convida Vítor Jorge para a sua festa de aniversário, perto da Praia do Osso da Baleia. O homem aceita mas na mala do carro, um Renault 4 L, uma caçadeira e uma enorme faca de mato, para matar Leonor.
Na festa de aniversário estava um grupo significativo de pessoas, que diminuiu até ficarem apenas seis – Vítor Jorge, José Pacheco, Leonor e três amigos dela – Maria do Céu e Isabel – e um rapaz, o Luís.
Em determinado momento e como José Pacheco tinha de regressar ao quartel, o grupo decide levá-lo à estação da Guia. Vão no carro de Vítor. Quando chegaram à estação da CP tomaram conhecimento de que o comboio circulava com enorme atraso. Decidem então, por sugestão de Vítor, ir dar um passeio até à Praia do Osso da Baleia. Na praia passeiam, correm e depois deitam-se na areia. Vítor Jorge aparece com a caçadeira e a faca na mão. Dispara sobre José Pacheco, matando-o de imediato, e atinge Leonor. Dispara mais duas vezes, sobre Luís, Maria do Céu e Isabel, que tentam fugir, porém são perseguidos por Vítor Jorge que os esfaqueia, tirando-lhes a vida. Empurra os corpos de Isabel e de Leonor para o mar, deixando os outros na areia. Possivelmente lava-se no mar, e ao volante da sua viatura, regressa a casa.

praia

O ASSASSINO DA FAMÍLIA

 Segundo a investigação, chega a casa, cerca das 02h00, acorda a esposa e diz-lhe que precisa de ajuda. Conta-lhe que atropelou um homem. Carminda, a mulher, levanta-se, veste-se e acompanha-o. Entra no carro com o marido e antes de chegarem à localidade de Amor, no concelho de Leiria, Vítor sai do carro e diz à mulher que o corpo do homem está no pinhal, escondido. A mulher entra no pinhal, seguida por ele que acaba por matá-la à facada, atacando-a pelas costas. Regressa ao carro e volta sozinho para casa.
De novo em casa encontra a filha mais velha que se assusta quando vê o pai entrar ensanguentado. Vítor Jorge ter-lhe-à contado também a história do homem atropelado. Pede à filha para ir com ele ao local, onde a mãe ficou. Anabela acompanha o pai que no pinhal a esfaqueia à traição. Pensou que a matou, deixando-a no local entregue à sua sorte e volta a casa.
Vítor Jorge regressa ao local, agora acompanhado da filha mais nova, Sandra, que vê os corpos da mãe e da irmã e foge pelo pinhal fora, sendo perseguida pelo pai de faca na mão. Vítor apanha a filha, que chora e suplica ao pai que acaba por deixá-la em paz. Vítor Jorge fugiu do local, e desapareceu. Foi encontrado ao fim de três dias escondido num barracão.
No dia seguinte, na Praia do Osso da Baleia, a polícia encontrou quatro corpos, três na areia e um dentro de água. Só o corpo de Leonor foi localizado onze dias depois, quando o mar o devolve. Nesse mesmo dia são também encontrados os corpos da esposa Carminda e da filha Anabela, no pinhal da freguesia de Amor.

ng1843925

A SENTENÇA

 Vítor vê o tribunal decretar-lhe prisão preventiva. Fica a aguardar na cadeia de Leiria.  Em tribunal, o advogado de Vítor Jorge sustenta que o seu cliente é inimputável.
Esta tese é defendida pelo professor Eduardo Cortesão, psiquiatra do hospital de Coimbra, que afirma que Vítor é doente esquizofrénico e, como tal, não pode responder pelas suas acções. O próprio Vítor, quando interrogado pelo tribunal, afirma que não fez mal a ninguém e responsabiliza sempre “o outro”, que vive dentro de si.  Uma outra perícia médica efectuada por psiquiatras do hospital de Leiria conclui o contrário, ou seja, que Vítor Jorge é imputável, que sabia o que fazia e tinha pleno controlo da sua vontade e dos seus actos.
O tribunal aceita esta tese e condena Vítor Jorge a 20 anos de prisão, a pena máxima à data.
 Cumpriu 14 anos, tendo sido libertado por bom comportamento. À sua espera estava o filho mais novo com 24 anos feitos.

tribunal

NOS DIAS DE HOJE

Vítor Jorge tem hoje 67 anos e continua a ser um homem doente, que precisa de acompanhamento psiquiátrico.
Desde que saiu da prisão em 2001 tem andado entre Inglaterra e, principalmente França, e Portugal.
Em França, onde é ajudado por uma prima, tentou suicidar-se uma dúzia de vezes.  Depois da cadeia encontrou companheira – Christine, hoje com 45 anos, natural da ilha de Reunião – fez limpezas no aeroporto de Córsega, deu serventia a pedreiros e fez alguns biscates. Mas a sua situação mental é instável.
Em Setembro de 2007 enviou a amigos uma mensagem : “Perdoem-me mas recuso voltar a matar para sobreviver psicologicamente! Seis anos a lutar contra os meus demónios e só… É muito tempo! Christine tem um coração nobre, ajudem-na!”.

ng1843924

Regressemos à questão inicial: será este homem um assassino miserável, um homem frio, calculista, capaz dos actos mais atrozes ou estaremos perante uma pessoa que sofre de doença mental e que sem tratamento é uma bomba-relógio, podendo matar a qualquer momento?
Foi preso e condenado. Cumpriu a pena e foi devolvido à sociedade.
Estará recuperado? Aparentemente não.
Tem necessitado de acompanhamento psiquiátrico. Tentou suicidar-se doze vezes. Isto quer dizer o quê? Que deseja a morte, por não poder com os traumas que carrega ou trata-se apenas de tentar chamar a atenção dos outros, mostrar-se, dizer ‘estou aqui’. É que quem deseja efectivamente o suicídio não necessita de tantas tentativas.  Será que neste caso a prisão foi a melhor solução? Ou teria sido melhor uma medida de segurança que o tratasse? Cumpriu 14 anos de prisão, mas a qualquer momento podemos voltar a ouvir falar dele e dificilmente será por boas razões.

Fonte: CM, DN, Wikipédia

_Lilly_

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s